Pró Monarquia - Site Oficial da Casa Imperial do Brasil
Placeholder image

Concerto de Natal


Em dezembro se realizará o Concerto de Natal da Família Imperial.

Participe com sua Família da Live exclusiva do Concerto de Natal que se realizará às 20 horas no próximo dia 12 de dezembro.

Anote em sua agenda e
não perca essa oportunidade de apreciar o Concerto de Natal deste ano.

Em função das normas de distanciamento social, não haverá comparecimento presencial e a transmissão será feita exclusivamente pela internet.

Contamos com sua compreensão e sua participação on-line.

Jantar Monárquico no Via Castelli


Na quarta-feira, 21 de outubro, às 19:00 h, realizou-se no Via Castelli, em São Paulo, Jantar Monárquico com a presença de Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil. Estiveram presentes membros da Diretoria e colaboradores mais próximos da Pró Monarquia, bem como o veterano Prof. Galdino Cocchiaro, Presidente da Sociedade Brasileira de Heráldica, o Deputado Estadual Castelo Branco e Esposa, entre outros ilustres convidados e figuras representativas da sociedade paulista, além de devotados amigos do movimento monárquico do Rio de Janeiro e São Paulo. A ocasião teve cobertura jornalística do Diário Popular IPTV, com a presença de seu Presidente Ronaldo dos Santos, do Diretor Executivo Augusto da Silva, do Diretor de Redação Paulo Toledo e Equipe de Reportagem. O agradável evento revigorou nos presentes a estima pela Família Imperial do Brasil e fortaleceu o ideal monárquico que congregou a todos.

Concerto de Natal 2020


No dia 12 de setembro realizou-se na sede da Pró Monarquia, em São Paulo, reunião de Organização do Concerto de Natal da Família Imperial, com a presença do Príncipe Dom Pedro de Orleans e Bragança, do Presidente da Pró Monarquia Dr. José Guilherme Beccari e do Coordenador do Concerto Sr. Marcos Paulo Magossi. Compareceram também o Regente de Canto Gregoriano Renato Otto e seu secretário Kleber Melo de Jesus, o Maestro Marim Meira, o Músico Sidney Júlio, bem como Dr. Rubens de Brito, Sr. Jorge Lara, Sr. Carlos Telles, Sr. Enos Beolchi e sua Esposa Sra. Adriane Kuchkarian Beolchi. Ao final da reunião, já com a presença do Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança, os Violinistas Felipe Secamilli e Pedro Gobeth realizaram esplêndida apresentação musical em homenagem ao aniversariante Sr. Marcos Magossi, seguindo-se almoço no mesmo local.

D. Antônio de Orleans e Bragança completa 70 anos
Entrevista exclusiva

S.A.R. D. Antônio de Orleans e Bragança, terceiro na linha de sucessão ao Trono do Brasil, teve a ventura de completar seu 70º aniversário natalício no dia 24 de junho de 2020.
As atenções se voltam para o tão estimado Príncipe, antes de mais por sua destacada posição na Casa Imperial do Brasil, mas também, e quanto, pelo anseio de recuperação da grave enfermidade que recentemente o acometeu.
Para grande alegria dos seus, pela graça de Deus e a intercessão da Santíssima Virgem, D. Antônio teve alta no dia 10 de abril, após três semanas de internação, retornando assim ao lar, mas ainda debilitado. Desde então vem-se fortalecendo gradualmente.
Por ocasião de seu 70º aniversário, o Príncipe D. Antônio gentilmente concordou em conceder entrevista ao “Herdeiros do Porvir”, respondendo a perguntas sobre sua formação familiar e profissional, sua visão de mundo e perspectivas em relação ao Brasil e à eventual restauração da Monarquia, dentre outros temas.

É a primeira entrevista que D. Antônio concede depois de se ter recuperado plenamente da gravíssima enfermidade que o acometeu no início deste ano. Temos certeza de que despertará grande interesse entre nossos leitores.

Leia a entrevista na íntegra!

 

Almoço Monárquico no Nacional Club


No dia 1º de fevereiro, sábado, a Pró Monarquia ofereceu almoço em homenagem ao Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, por ocasião de seu 79º aniversário. A comemoração teve lugar no tradicional Nacional Club, em São Paulo, que vem sediando grandes eventos monárquicos há três décadas. Presentes, o sobrinho do aniversariante, o Príncipe Dom Gabriel de Orleans e Bragança, amigos de longa data, membros da Diretoria e colaboradores mais próximos da Pró Monarquia, devotados veteranos e jovens monarquistas, além de figuras representativas da sociedade paulista e distintas senhoras, todos reunidos em um ambiente extremamente agradável ao longo de uma tarde gratificante, que revigorou nos presentes o afeto pela Família Imperial do Brasil e fortaleceu o ideal monárquico que congregou a todos.

Aclamação da Família Imperial 2020


No dia 5 de janeiro de 2020, por iniciativa do Movimento Anjos do Império, numerosos monarquistas realizaram, pelo terceiro ano consecutivo, o Ato de Aclamação da Família Imperial. Os presentes homenagearam o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, demonstrando plena confiança na restauração da Monarquia em nosso País. A Aclamação se deu na Sede Social da Pró Monarquia, em São Paulo, contando também com a presença de Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil. Na ocasião, foram realizados o hasteamento de uma Bandeira do Império de 48 metros quadrados e a execução do Hino da Independência do Brasil. No mesmo dia, no Rio de Janeiro, no Outeiro da Glória, realizou-se pela primeira vez o Ato de Aclamação da Família Imperial, por iniciativa do Círculo Monárquico Dom Luiz de Orleans e Bragança, o Príncipe Perfeito. O Chefe da Casa Imperial foi condignamente representado por seu irmão o Príncipe Dom Antônio de Orleans e Bragança e por sua irmã Dona Eleonora de Orleans e Bragança, Princesa de Ligne, acompanhada de seu Esposo, o nobre belga Michel, 14º Príncipe de Ligne, que receberam os cumprimentos logo após a Santa Missa rezada na Igreja da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro.

DEZEMBRO DE 2019

Concerto de Natal


No dia 14 de dezembro, sob os auspícios de S.A.I.R. Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, realizou-se o Concerto de Natal 2019, na Igreja Nossa Senhora Aparecida, em Moema, São Paulo, com a presença de S.A.I.R. Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil, e de centenas de Amigos da Família Imperial. O evento natalino teve início com a apresentação de 6 partituras pela Banda Musical da GCM - Guarda Civil Metropolitana, incluindo-se o Hino Nacional e o Hino da Independência, na regência do Maestro Inspetor José Carlos Milanez. Seguiu-se então a apresentação de 17 partituras pela Associação Músicos do Futuro, na regência do Maestro Edison Ferreira, bem como a apresentação do Coral Infanto Juvenil da Associação, na regência da Maestrina Thaísa Keme, emocionando todos os presentes.

I Encontro Monárquico do Espírito Santo


Entre os dias 25 e 27 de outubro, o Príncipe Dom Antonio de Orleans e Bragança esteve em Vitória, como convidado de honra, representando a Família Imperial do Brasil durante uma série de eventos ligados à realização do I Encontro Monárquico do Espírito Santo, promovido por iniciativa do Círculo Monárquico do Espírito Santo, na pessoa de seu Chanceler, Dr. Ricardo Martinelli de Medeiros. No dia 25, o Príncipe Dom Antonio recebeu homenagem no Audi Center de Vitória, onde a Senhora Lílian Nogueira e o jornalista Wesley Sathler ofereceram um chá da tarde seguido por apresentação da Camerata Sesi de Vitória, conduzida pelo Maestro Leandro Davi. No dia 26, Dom Antonio presidiu a mesa de honra do I Encontro Monárquico do Espírito Santo, realizado no Auditório da Federação do Comércio do Estado do Espírito Santo. Na ocasião, o Coral do Centro Anchieta executou o Hino Nacional, o Hino da Independência e o hino gregoriano “Jesu Rex Admirabilis”, seguindo-se o discurso de abertura dos trabalhos proferido pelo Dr. José Lino Sepulcri, Presidente da Federação do Comércio. Ato contínuo, tiveram lugar as palestras dos Professores Doutores Leonardo Penitente e Felipe Arady. À tarde, foram ministradas as palestras do Professor Dr. Armando Alexandre dos Santos e do Dr. Ricardo Martinelli de Medeiros. Houve também breve intervenção do Professor Dr. Luciano Villaschi Chibib, Diretor da Faculdade de Direito Pio XII. A Senhora Angela Gomes, artista local mundialmente reconhecida, presenteou Sua Alteza com encantadora tela de sua autoria. Responsável por proferir as palavras de encerramento do evento, Dom Antonio declarou total apoio a seu irmão, o Príncipe Imperial do Brasil Dom Bertrand de Orleans e Bragança e defendeu a necessidade de se restaurar o quanto antes uma Monarquia autenticamente  cristã no Brasil. Exaltou as qualidades do povo e do Estado do Espírito Santo, encerrando e dando vivas a seu irmão mais velho, o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança Chefe da Casa Imperial do Brasil, sendo longamente aplaudido por todos os presentes. À noite, Dom Antonio foi homenageado com jantar oferecido pelo renomado joalheiro Ricardo Vieira na Casa Cor de Vitória, sediada no Clube Ítalo-Brasileiro do Espírito Santo. Além da comitiva Imperial, estava presente também a arquiteta Rita Rocio Tristão. Na manhã do dia 27, Festa Litúrgica de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei, Sua Alteza assistiu Missa Solene, celebrada por Frei João Paulo na forma extraordinária do Rito Romano, na Igreja São Gonçalo, recebendo, ao fim da celebração, os cumprimentos dos fieis. O Príncipe foi ao Palácio Anchieta, Sede do Governo do Estado, onde rezou junto ao túmulo de São José de Anchieta. Almoçou com membros do Círculo Monárquico e do Centro Anchieta e visitou o belíssimo Convento da Penha, onde foi gentilmente recebido por Frei Pedro de Oliveira para passeio guiado, sentando-se junto à mesma janela de onde, em 1860, o Imperador Dom Pedro II acenou para o povo ali embaixo reunido. Conheceu a encantadora Igreja Nossa Senhora do Rosário e o imponente Farol de Santa Luzia, onde foi recebido com todas as honras pelos oficiais da Marinha do Brasil presentes no local.

II Encontro Monárquico do Pará


Entre os dias 8 e 9 de novembro, o Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança, esteve em Belém, participando de uma série de eventos ligados à realização do II Encontro Monárquico do Pará, promovido por iniciativa do Círculo Monárquico de Belém. Em sua chegada ao Aeroporto Internacional Júlio Cezar Ribeiro, o Príncipe foi recebido por uma comitiva de membros do Círculo Monárquico e também pela Banda da Guarda Municipal de Belém, que o homenageou com a execução do Hino da Independência. No dia seguinte, o Príncipe Imperial presidiu a mesa de honra do II Encontro Monárquico do Pará que reuniu numerosos monarquistas no Auditório da Associação Comercial do Estado. À abertura dos trabalhos, seguiu-se a execução do Hino da Independência e apresentação sobre a escalada monárquica que vem ocorrendo no Estado. Teve então lugar a palestra ministrada pelo Capitão-Médico da Polícia Militar Doutor Rodrigo Siqueira da Rocha Dias, Líder Nacional da Confederação Monárquica do Brasil e 1º Vice-Chanceler do Círculo Monárquico Dom Luiz, o Príncipe Perfeito, do Rio de Janeiro. Responsável por proferir as palavras de encerramento do evento, Sua Alteza exaltou as qualidades do povo e do Estado do Pará e também lembrou as vantagens da Monarquia sobre a República. Por fim, durante sua passagem pela capital paraense, o Príncipe Imperial visitou o Theatro da Paz, construção de 1878, em estilo neoclássico, e o Instituto Histórico e Geográfico do Pará, onde prestigiou a Exposição “Dona Maria da Glória: Princesa do Grão-Pará e Rainha de Portugal”.

Criada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo
a Frente Parlamentar em Defesa da Vida

No dia 26 de setembro foi criada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo a Frente Parlamentar em Defesa da Vida, iniciativa do Deputado Gil Diniz que visa a preservação da vida humana desde a concepção até a morte natural e o combate a todas as modalidades de aborto, declaradas ou encobertas. Realizada no auditório Teotônio Vilela com a presença dos deputados estaduais Janaína Paschoal, Castello Branco, Letícia Aguiar e Douglas Garcia, de destacados dirigentes e de uma centena de militantes pró-vida, a sessão teve como primeiro orador o Príncipe Imperial Dom Bertrand, que destacou o peso do argumento religioso para uma atuação anti-abortista eficaz, sendo aludido depois por todos os demais oradores.

Príncipe Gundakar von und zu Liechtenstein, da família reinante no
Principado homônimo, o qual há quatro décadas tem estreito vínculo
com o Brasil, naturalizou-se brasileiro.

Na tarde de 25 de setembro o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo realizou a sessão de posse de seu novo Sócio Correspondente no Exterior, o Príncipe Gundakar von und zu Liechtenstein, da família reinante no Principado homônimo, o qual há quatro décadas tem estreito vínculo com o Brasil: naturalizou-se brasileiro, é proprietário de terras no Mato Grosso, fala correntemente o português. É casado com a Princesa Marie, neta do Conde e da Condessa de Paris e, portanto, trineta da Princesa Isabel, a Redentora, sendo assim consanguínea de nossos Príncipes. A Princesa Marie e os cinco filhos do casal conhecem igualmente o Brasil e lhe são muito afeiçoados. O Príncipe Gundakar foi recebido pelo Presidente Prof. Jorge Pimentel Cintra, numerosos sócios do IHGSP e distinto público. Foi saudado por Dom Bertrand, à frente de monarquistas da Capital e pelo Prof. Ives Gandra da Silva Martins. Compôs a mesa, também, o Embaixador Sinésio Sampaio Goes.

XXIX ENCONTRO MONÁRQUICO DO RIO DE JANEIRO

No dia 8 de junho de 2019, realizou-se na cidade do Rio de Janeiro, com a presença de membros da Família Imperial brasileira, o XXIX Encontro Monárquico, no Salão Guanabara do Windsor Flórida Hotel. A abertura dos trabalhos foi realizada pelo Príncipe Dom Antônio de Orleans e Bragança, seguindo-se as palestras do Prof. Ibsen José Casas Noronha e da Deputada Chris Tonietto. Após o almoço, o reinício dos trabalhos foi realizado pelo Príncipe Dom Gabriel de Orleans e Bragança, seguindo-se as palestras do Sr. José Carlos Alves de Matos Sepúlveda da Fonseca e do Dr. Guilherme de Faria Nicastro. Após as palestras foi apresentado o Painel Atuação Monárquica e Lideranças novas. A conclusão do Encontro foi feita pelo Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança, seguindo-se a entrega de diplomas aos participantes regularmente inscritos. No dia 9, domingo, foi comemorado o 81º Aniversário de Sua Alteza Imperial e Real o Senhor Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, com celebração de Missa Solene em Ação de Graças na Igreja da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, seguida de almoço comemorativo, igualmente no Salão Guanabara do mesmo Hotel.

I Encontro Monárquico do Rio Grande do Sul


No dia 13 de maio, o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, foi convidado de honra, representando a Casa Imperial do Brasil, no I Encontro Monárquico do Rio Grande do Sul, realizado por iniciativa do Círculo Monárquico do Rio Grande do Sul, no Salão Nobre do Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre, por ocasião do 131º aniversário da assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel, contando com participação de monarquistas de todo o Estado. A abertura dos trabalhos foi realizada pela Doutora Cristina Froes, Chanceler do Círculo Monárquico do Rio Grande do Sul, seguindo-se as participações do Senhor Henrique Viana, do grupo Brasil Paralelo, que vem fazendo importante trabalho de resgate da História do Brasil, do historiador Professor Armando Alexandre dos Santos e do Jornalista Nelson Ramos Barretto. Proferindo as palavras de encerramento do evento, o Príncipe Imperial exaltou as virtudes de sua veneranda bisavó, a Redentora, tratando também do atual cenário político e social do Brasil. Por fim, Sua Alteza recebeu homenagem prestada pelo médico Doutor Aécio Beltrão.

Almoço Monárquico no Nacional Club


No sábado, dia 2 de fevereiro, a Pró Monarquia ofereceu almoço em homenagem ao Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, por ocasião de seu 78º aniversário. A comemoração teve lugar no tradicional Nacional Club, em São Paulo, que vem sediando grandes eventos monárquicos há três décadas. Presentes, o sobrinho do aniversariante, o Príncipe Dom Gabriel de Orleans e Bragança, amigos de longa data, membros da Diretoria e colaboradores mais próximos da Pró Monarquia, devotados veteranos e jovens monarquistas, além de figuras representativas da sociedade paulista e distintas senhoras, todos reunidos em um ambiente agradável ao longo de uma tarde gratificante, que vivificou nos presentes o afeto pela Família Imperial do Brasil e fortaleceu o ideal monárquico que congregou a todos.

 

Veja aqui os eventos realizados pela Pró Monarquia

140x140

Palácio Guanabara: 125 anos de Injustiça

A secular injustiça da tomada ilegal do Palácio Isabel, hoje chamado Palácio Guanabara, atual sede do governo estadual do Rio de Janeiro e antiga residência da Princesa Isabel, é o caso mais antigo ainda em curso no Judiciário, completando 125 anos desde a ação possessória movida pela Princesa Isabel e seu esposo, o Conde D’Eu, em 1895. 

A Constituição de 1824, por meio de seu artigo 112, instituiu a dotação das Princesas da Casa Imperial do Brasil quando essas se casassem, prática comum à época. Em virtude do casamento da Princesa Isabel com o Conde d’Eu, promulgou-se, em 17 de julho de 1864, a Lei nº 1.217, instituindo a dotação.

Em 11 de outubro de 1864 formalizou-se o pacto pré-nupcial da Princesa Isabel e do Conde d’Eu. Dentre as disposições estava o fornecimento de trezentos contos de réis, pelo Estado brasileiro, aos Príncipes, para que com isso adquirissem prédios para residência.

Por meio dessa cláusula legal, o Conde d’Eu adquiriu, em 25 de janeiro de 1865, de José Machado Coelho e sua esposa, os prédios urbanos nº 4 e 6, assim como a chácara a eles situada, propriedades que dariam origem ao Palácio Isabel, residência oficial e particular da Princesa na cidade do Rio de Janeiro.

Com o golpe militar de 15 de novembro de 1889, a Casa Imperial do Brasil cessou de reinar e foi exilada pelo Governo Provisório dois dias depois. Em 1894, já durante a gestão Floriano Peixoto, em decorrência da Revolta da Armada, foi confiscado o Paço Isabel em nome do Governo Militar.

Embora as decisões judiciais fossem a de que o Governo Federal exercia sua posse ilegalmente, esse nada fez para as acatar. Assim, em 1895, a Princesa Isabel e o Conde d’Eu ingressaram com a ação possessória que dá origem ao processo que corre ainda hoje.

Leia o texto

140x140

Comunicado do Chefe da Casa Imperial do Brasil quanto à organização do Movimento Monárquico

 

Meus muito caros monarquistas,

Acontecimentos recentes, bem como o apelo de veteranos e de novos monarquistas, tornam oportuno que reitere anteriores diretrizes sobre a organização do movimento monárquico no Brasil. Faço-o como um chamamento à harmonia, na plena certeza de que a aurora monárquica em nosso País avança mais e mais a cada dia.

A imensidão do território brasileiro e as legítimas diversidades que nele devem florescer pedem que nosso movimento se organize de forma orgânica, em Círculos Monárquicos, Frentes Monárquicas, núcleos da Juventude Monárquica e outros grupos que atuem, a nível municipal ou estadual, segundo as tradições e regionalidades coexistentes em nosso País e que, juntas, conformam aquilo que chamamos Brasilidade.

Portanto, manifesto minha desconformidade – apesar de reconhecer, de bom grado, o idealismo e o espírito de iniciativa dos que o propõem – à constituição de quaisquer alianças, coligações, confederações, ligas ou partidos que pretendam chamar a si a liderança nacional do movimento monárquico, assim tolhendo a ampla liberdade com que, de Norte a Sul do Brasil, há décadas atuam as múltiplas entidades monarquistas. Aqui, pois, também encontra aplicação o basilar e sábio princípio da subsidiariedade.

Qualquer tentativa de centralização inorgânica tiraria aos diversos grupos suas características de abordagem diferenciada, bem como a sua criatividade e liberdade de ação dentro da ordem e da legislação vigente. O monarquismo ficaria manietado, transformado em mais uma estrutura centralizada – precisamente em um momento no qual nossos compatrícios, lúcidos e inteligentes, dão-se conta de que estão, mais do que nunca, desprestigiadas as agremiações políticas no País.

Assim como minha veneranda Bisavó, a Princesa Dona Isabel, e meu saudoso Pai, o Príncipe Dom Pedro Henrique, que me antecederam no múnus da Chefia da Casa Imperial do Brasil, sempre vi com bons olhos a liberdade de atuação dos monarquistas, pois entendo que a grande força do nosso movimento está na autonomia, no espírito de iniciativa e no dinamismo de suas bases, sempre unidas e coesas em torno daquilo que é realmente essencial e inegociável, ou seja, a fidelidade à Legitimidade Monárquica e a observância de princípios fundamentais de caráter genérico, expressos nas “Propostas Básicas com vistas à Restauração da Monarquia no Brasil”, conhecidas e compartilhadas por todos.

Meu Secretariado, ao qual a associação Pró Monarquia presta suporte, por delegação minha exerce a necessária função de aglutinar e coordenar os esforços disseminados dos diversos grupos monarquistas, sem, entretanto, pretender dirigi-los de modo centralizador, o que não corresponderia nem à índole nem à conveniência de nossa Causa. Por trinta anos, as portas do Secretariado têm estado abertas para o diálogo fraterno com todos os brasileiros, de modo particular os fiéis e devotados monarquistas, e assim permanecerão sempre.

Por fim lembro que já no passado, desde os tempos do Plebiscito de 1993, ocorreram outros intentos de implantar – sem meu consentimento e com minha explícita desconformidade – uma direção centralizadora do movimento monárquico, e que estas sempre foram mal sucedidas. Assim sendo, apelo à experiência dos veteranos e ao idealismo dos jovens monarquistas no sentido de, por amor ao Brasil, prosseguirmos juntos em nossa patriótica atuação do modo como até agora, com êxito, vimos procedendo.

Que para tal nos ajude Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil.

São Paulo, 14 de fevereiro de 2020

Dom Luiz de Orleans e Bragança
Chefe da Casa Imperial do Brasil

Nota acerca dos Títulos Nobiliárquicos

O Príncipe D. Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, vem acompanhando com grande alegria o significativo crescimento das fileiras monárquicas, sobretudo por parte de jovens compatriotas que não tinham idade, quando ocorreu o plebiscito de 1993, para participar dos debates que então se realizaram. São na maioria estudantes, rapazes e moças, provenientes de todos os Estados brasileiros e pertencentes às mais diversas classes sociais. Sendo os ideais monárquicos por sua própria natureza atemporais e de permanente atualidade, é muito auspiciosa e enche de esperança a participação de tantos jovens.

Entre esses jovens que vêm enriquecer nossas fileiras, encontram-se por vezes nomes bem conhecidos na História pátria. São membros de famílias tradicionais, descendentes de personagens que, no Império, exerceram funções de relevo e até receberam títulos de nobreza de nossos Imperadores. Muitas dessas famílias mantiveram ao longo das gerações, mesmo depois de proclamada a república, fidelidade ao ideário monárquico e cultivaram relações com a Família Imperial. É, portanto, motivo de especial comprazimento para D. Luiz a participação em nosso movimento de descendentes dessas famílias, tão dignas da gratidão e da simpatia do Chefe da Casa Imperial do Brasil.

Há quem pergunte, e até com insistência, quais as intenções do Príncipe com relação à antiga Nobreza do Império. É sua intenção reconhecer ou revalidar antigos títulos e cartas de brasão?

Como esse tema é de interesse recorrente, D. Luiz pede que tornemos público o que invariavelmente declarou sempre que foi consultado a respeito.

Mantendo a mesma linha de conduta seguida desde 1889 pelos sucessivos Chefes da Casa Imperial do Brasil – D. Pedro II (1889-1891), Princesa Isabel (1891-1921) e D. Pedro Henrique (1921-1981) – D. Luiz nunca quis conceder, reconhecer ou revalidar títulos e cartas de brasão, e jamais autorizou que quaisquer pessoas ou entidades usassem o nome ou o prestígio da Família Imperial do Brasil para tal finalidade.

Entende S. Alteza que o maior título de glória dos brasileiros que portam sobrenomes ilustres é portá-los com a plena consciência de estarem cumprindo seu dever, em relação aos nossos ideais, em relação à Pátria e em relação aos ilustres antepassados dos quais provêm.

Mais ainda, entende D. Luiz que se aplicam a esses brasileiros, mutatis mutandis, servatis servandis, as mesmas graves obrigações morais que têm os nobres em geral e os príncipes em particular: mais do que direitos e regalias a serem fruídos, Principado e Nobreza significam responsabilidade e implicam em graves deveres. Esse o significado maior da nobreza, que requer espírito de renúncia e sacrifício, a ponto de o Papa Bento XV ter chegado a designar a condição de nobre como análoga à do sacerdote (Alocução ao Patriciado e à Nobreza Romana, 5 de janeiro de 1920).

Quando, num futuro que praza a Deus não esteja distante, o Brasil retome seu itinerário histórico restaurando a Monarquia, será então a hora aprazada para, de acordo com a legislação que então tiver vigência, serem recompensadas dedicações históricas de pessoas e famílias que com total desinteresse tiveram o mérito de uma prolongada e comprovada fidelidade aos nossos ideais. Antes disso, não teria sentido falar em recompensas, reconhecimentos ou concessões de títulos nobiliárquicos.

São Paulo, 15 de janeiro de 2018 José Guilherme Beccari Presidente da Pró Monarquia

O BRASIL IMPERIAL


140x140
Rainha Dona Maria I

140x140
Dom João VI

140x140
Dom Pedro I

140x140
Dom Pedro II

140x140
Gastão de Orleans

140x140
Princesa Isabel

A FAMÍLIA IMPERIAL


140x140
Dom Luiz

140x140
Dom Bertrand

140x140
Dom Antônio

140x140
Dom Pedro Henrique

140x140
Princesa Maria da Baviera

140x140
Dom Luiz

140x140
Dona Maria Pia

Pró Monarquia é uma associação cívico-cultural sem fins lucrativos, fundada em 1990, que tem por finalidade promover, orientar e coordenar iniciativas voltadas à restauração do regime monárquico de governo no Brasil, observada a legitimidade dinástica. Assim, sob os auspícios do Chefe da Casa Imperial do Brasil S.A.I.R. o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, realiza e incentiva atividades de estudo, formação e divulgação concernentes à Dinastia brasileira, à nossa história, valores e tradições, bem como à excelência do regime monárquico enquanto tal e à realidade nacional, de modo a obter a coesão dos monarquistas brasileiros em torno de um mesmo ideário e atrair para a causa monárquica a simpatia e a adesão dos compatriotas.