Pró Monarquia - Site Oficial da Casa Imperial do Brasil
IMPERATRIZ LEOPOLDINA
Placeholder image

Imperatriz Leopoldina
(1797-1826)
Da. Leopoldina, aos 20 anos.
Gravura de Jean François Badoureau,
segundo pintura de Jules Antoine Vautier, 1817 (detalhe).
Foto de Rômulo Fialdini. Acervo do Museu Imperial de Petrópolis.

Imperatriz Leopoldina

O ano de 1997 assinalou o bicentenário do nascimento daquela que foi a primeira Imperatriz do Brasil, Dona Carolina Josefa Leopoldina.

As numerosas e justas comemorações ocorridas ao longo do ano realçaram o vulto de D. Leopoldina, resgatando-o do esquecimento no qual infelizmente foram colocados tantos e tantos de nossos maiores.

Dando-se por inteiro à terra à qual a conduziram os desígnios da Providência, ela secundou e incentivou seu augusto esposo, o futuro Imperador D. Pedro I, nos passos e decisões de que resultou nossa soberania plena.

E bem exatamente foi uma carta sua, com o relato comentado das últimas notícias do Rio de Janeiro e da Corte portuguesa, que inspirou ao Príncipe Regente o histórico Brado do 7 de Setembro.

Muito justamente, pois, a esposa de nosso primeiro Imperador pode ser aclamada como Mãe dos Brasileiros.

Necessitaríamos hoje de figuras como a de D. Leopoldina!

Nossas presentes incertezas, exigências e responsabilidades excedem muito aquelas que em 1822 tocavam aos brasileiros.

Diante das apreensões e desatinos de um mundo que parece desfazer-se entre desabamentos sucessivos e enganosas fulgurações, o Brasil precisa imperiosamente reencontrar as vias indicadas por suas tradições católicas.

Dom Luiz de Orleans e Bragança
(Excerto do Cartão de Natal de 1997 de Dom Luiz de Orleans e Bragança).

***

Trechos das resoluções pessoais da jovem D. Leopoldina.

Desde o despertar, o meu primeiro pensamento será a lembrança da presença de Deus; minhas primeiras palavras serão: Ó Santíssima e adorável Trindade, eu Vos dou meu coração e minha alma, adoro-Vos com todos os coros dos Anjos. Ó Jesus, meu Salvador, tende piedade de mim!

Longe de mim os gastos inúteis, o luxo pernicioso, os adereços indecentes, as vaidades mundanas e as vestes escandalosas. Minha virtude tão necessária será sempre a modéstia, para conservar a pureza de meu coração, sem a qual não poderei agradar a Deus.

Placeholder image
Maria Leopoldina - Arquiduquesa da Áustria
Retrato por Joseph Kreutzinger (1815)

Lembrar-me-ei frequentemente das promessas que fiz no dia de meu casamento diante da Igreja e das obrigações que contraí. Guardarei inviolavelmente a fidelidade devida a meu esposo.

Se a Providência me favorecer dando-me filhos, guardá-los-ei como como um penhor precioso do céu que Deus pedirá um dia de minhas mãos. Terei cuidado de lhes dar uma educação esmeradamente cristã, e tratarei sempre de lhes imprimir o respeito que os filhos devem aos pais.

Longe de mim todo o ar de arrogância e de soberba; serei grave e modesta em todos os sentidos, honesta, suave, afável e polida com os grandes e pequenos.

Aceitarei todas as penas e aflições como vindas da mão de Deus, unindo-as aos sofrimentos de Jesus Cristo; sem falar delas a não ser com Jesus e com meu confessor.

(Excerto do Cartão de Natal de 1997 de Dom Luiz de Orleans e Bragança).

***

Há 180 anos, Dona Leopoldina, Regente do Brasil na ausência do Príncipe Dom Pedro, assinava a 2 de setembro a ata da Reunião do Conselho de Estado em que se decidiu nossa Independência.

Essa jovem Princesa, vinda dos esplendores da corte imperial de Viena, entendeu e amou profundamente a vocação extraordinária da Pátria que adotara.

Ao firmar com os ministros de Estado a decisiva deliberação que cinco dias depois seu Esposo chancelaria e converteria em realidade no histórico brado do Ipiranga, ela por certo intuía tudo quanto de grandioso estava reservado à Terra de Santa Cruz.

Grandeza que só poderia estar na linha do desenvolvimento da semente de civilização aqui plantada pela ação missionária e colonizadora de Portugal, e que deveria desabrochar no futuro para formar um grande Império, todo ele pacífico, benfazejo e enriquecedor para outras nações da terra, pelo pleno aproveitamento dos quase infindos recursos naturais de que a Providência o dotara e, principalmente, pelo luzir cristão da alma de seu povo.

Dom Luiz de Orleans e Bragança
(Excerto do Cartão de Natal de 2002 de Dom Luiz de Orleans e Bragança).

***

Participação decisiva da Imperatriz Leopoldina na nossa Independência

A atitude de D. Leopoldina, defendendo os interesses brasileiros, acha-se eloquentemente estampada na carta que escreveu a D. Pedro I, por ocasião da Independência do Brasil:

É preciso que volte com a maior brevidade. Esteja persuadido de que não é só o amor que me faz desejar mais que nunca sua pronta presença, mas sim as circunstâncias em que se acha o amado Brasil. Só a sua presença, muita energia e rigor podem salvá-lo da ruína”.

Dentre as influências que recebeu D. Pedro I, conduzindo-o a proclamar a Independência, destaca-se a da Imperatriz.

A convivência diária com D. Leopoldina ampliava muito o horizonte de D. Pedro I, que escutava atento, com interesse, o que ela contava de sua terra natal, da corte vienense, de Napoleão, da política e história europeias, dos monarcas no Velho Mundo, etc.

A cultura de D. Leopoldina impressionava D. Pedro. Era o meio que lhe garantira, após conquistar a confiança do marido, uma ascendência crescente sobre o seu irrequieto espírito.

Os historiadores reconhecem a grande participação que teve D. Leopoldina nos acontecimentos que prepararam a Independência.

São expressivos os textos de algumas das cartas que ela escreveu nos dias ansiosos que precederam o 7 de setembro de 1822:

“Fiquei admiradíssima quando vi de repente aparecer meu esposo, ontem à noite. Ele está mais bem disposto para os brasileiros do que eu esperava, mas é necessário que algumas pessoas influam mais, pois não está tão positivamente decidido como eu desejaria.

Dizem que as tropas portuguesas o obrigarão a partir. Tudo então estaria perdido, e torna-se necessário impedi-lo. Os ministros vão ser substituídos por filhos do País, que sejam capazes. Muito me tem custado alcançar tudo isso. Só desejaria insuflar uma decisão mais firme”.

Vasconcelos Drummond, amigo dos Andradas e participante direto dos acontecimentos, afirma:

“Fui testemunha ocular, e posso asseverar aos contemporâneos que a Princesa Leopoldina cooperou vivamente, dentro e fora do País, para a Independência do Brasil. Debaixo desse ponto de vista, o Brasil deve à sua memória gratidão eterna”.

Mulher superior ao seu tempo, D. Leopoldina trouxera para o Brasil missões científicas, prestigiara a vinda de sábios, tais como Emanuel Pohl e von Martius, que pode ser considerado como o primeiro estrangeiro a revelar à Europa o Brasil.

Dom Pedro I lançara, na colina do Ipiranga, o grito famoso que fez independente o Brasil. Dias depois, nos salões repletos do Paço, reclamava ele que lhe trouxessem fitas verdes, pois queria que todos usassem o laço das cores representativas do Brasil livre.

Vendo que ainda faltavam alguns distintivos, voltou-se alegremente para Dona Leopoldina, perguntando-lhe: — Não haverá mais fitas verdes no palácio?

Sorrindo, ela respondeu que não; mas, ainda assim, dirigiu-se aos seus aposentos, para mais uma busca. Abriu e remexeu quantas gavetas encontrou, mas nada de fitas verdes.

Já desanimava, e dispunha-se a voltar ao salão com as mãos vazias, quando seus olhos caíram sobre o leito, cujas fronhas ostentavam, a correr pelos ilhoses do bordado, fitas da cor procurada.

Não se deteve a pensar. Arrancou-as todas e voltou ao salão, ruborizada e feliz, para distribuir os distintivos. Em seu entusiasmo, exclamou: — Não havia mais fitas verdes, mas arranquei as dos travesseiros de minha cama!

Imediatamente, sentindo o silêncio que se fizera, corou. Viu que ninguém se sentia digno da honra de tais distintivos. No meio daquela indecisão, o primeiro a dar um passo para a frente foi Antônio de Menezes Vasconcelos Drummond.

Dona Leopoldina estendeu para ele a mão, que segurava um laço verde. E sobre aquela mão e aquele laço se inclinou a cabeça do patriota, que beijou os dedos de Leopoldina, exclamando: — Obrigado, Majestade!

Era a primeira vez que se dava a Dona Leopoldina esse título.

Placeholder image
Dona Leopoldina - Imperatriz do Brasil

A Imperatriz Leopoldina, modelo de vida familiar e cristã

Francisco I, pai da Imperatriz Leopoldina, fez chegar a D. Pedro I, por intermédio da embaixada austríaca, estas recomendações:

“Recomendo-vos que peçais ao meu genro que faça respeitar a Religião e promover os bons costumes. Se tomar estes conselhos, não é necessário preocupar-se com constituições. Esta é a melhor constituição, a constituição prática. As outras são teorias impraticáveis e quiméricas”.

Narra Vasconcelos Drummond que, já em 1824, a tropa pretendia forçar a abdicação de D. Pedro I, e só a veneração que tinham à Imperatriz Leopoldina é que pôde demovê-los do seu intento. Foi então que lhe ofereceram secretamente a coroa, ao que ela respondeu: — Sou cristã, e dedico-me inteiramente ao meu marido, aos meus filhos. Antes de consentir num semelhante ato, eu me retirarei para a Áustria.

A primeira tentativa de uma colonização não portuguesa, baseada na pequena propriedade, foi formada em Nova Friburgo, em 1819, com suíços de língua francesa e alemã, e reforçada posteriormente por alemães. Fracassou em consequência de o terreno ser pouco favorável, da falta de habilitação dos imigrantes para a agricultura, e de boas comunicações com a capital.

Muitos colonos transferiram-se para o Rio, fomentando o artesanato local, ou alistaram-se nos corpos estrangeiros, enquanto as mulheres trabalhavam como enfermeiras ou empregadas. Muitas famílias chegaram ao extremo da miséria, tanto que as crianças saíam a pedir esmolas pelas ruas.

D. Leopoldina esvaziou várias vezes seus cofres pessoais para acorrer às viúvas e aos órfãos. Era este um dos motivos pelos quais ela se viu moralmente obrigada a contrair dívidas secretamente, para poder socorrer os necessitados.

A Imperatriz Leopoldina não se interessava por roupas caras e enfeites, mas era uma inveterada gastadora, pois seu bom coração a levava muitas vezes a distribuir esmolas da sua própria dotação a todos os que sofriam e vinham apelar para a sua magnanimidade. Com isso ela gastava mais do que podia.

Quando morreu, em 1826, verificou-se que tinha algumas dívidas, decorrentes de suas obras de caridade. A Assembleia Legislativa sentiu-se honrada em mandar efetuar o pagamento desses débitos deixados pela Imperatriz.

(Excerto do livro Revivendo o Brasil Império, de Leopoldo Bibiano Xavier).

***


Pró Monarquia é uma associação cívico-cultural sem fins lucrativos, fundada em 1990, que tem por finalidade promover, orientar e coordenar iniciativas voltadas à restauração do regime monárquico de governo no Brasil, observada a legitimidade dinástica. Assim, sob os auspícios do Chefe da Casa Imperial do Brasil S.A.I.R. o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, realiza e incentiva atividades de estudo, formação e divulgação concernentes à Dinastia brasileira, à nossa história, valores e tradições, bem como à excelência do regime monárquico enquanto tal e à realidade nacional, de modo a obter a coesão dos monarquistas brasileiros em torno de um mesmo ideário e atrair para a causa monárquica a simpatia e a adesão dos compatriotas.